Curei minha candidíase com alimentação saudável

Depois de tomar remédios por mais de dez anos, sem resultados duradouros, Karine Rocha conta como se tratou com uma nova dieta, exercícios físicos e meditação

05.02.2019  |  Por: Karine Rocha

image
Curei minha candidíase com alimentação saudável

Candidíase de repetição. Essa foi a doença que me permitiu transmutar. Tive candidíase algumas vezes durante a vida, entre os 18 e os 29 anos. Passei anos sofrendo com corrimento e irritação vaginal. E a solução que eu me dava era sempre a mesma: consulta médica, receita e farmácia.

Durante esse tempo, isso funcionou. Os remédios me livravam dos sintomas da doença dando, assim, uma falsa sensação de cura.

Acontece que da última vez a infecção não passou com o uso de medicamentos. Eu os tomava, os sintomas sumiam por alguns dias, mas voltavam mais fortes na sequência.

Fiquei quase um ano nesse processo de repetição da doença e nesse período me consultei com exatos oito médicos, que me receitaram diferentes remédios, mas a infecção persistia.

Comecei a desconfiar de que aqueles medicamentos não estavam mais fazendo efeito e que o nono médico também não iria conseguir me ajudar. Isso foi bastante desesperador, porque até aquele momento a minha crença era de que somente um médico, uma receita médica e remédios poderiam curar as pessoas. Assim como a medicina ocidental, eu não tinha o costume de focar na causa das doenças, só nos sintomas.

Naquele momento, a doença, que antes parecia simples, estava tendo um efeito devastador na minha vida. Eu estava física e emocionalmente abalada. Além dos sintomas mais conhecidos e extremamente incômodos na vulva e na vagina, eu sentia um cansaço excessivo, apatia, fadiga, tinha problemas digestivos e dificuldade de concentração. Só depois entendi que eles também eram causados pela proliferação do fungo Cândida Albicans.

Pois é, o que a gente sente na vulva e na vagina é apenas uma parte dos sintomas. A candidíase começa no intestino. O fungo afeta o sistema digestivo, inibindo a assimilação adequada de aminoácidos essenciais e atacando os microrganismos intestinais indispensáveis para a absorção adequada de nutrientes. Com a sua proliferação, a nossa imunidade cai e o organismo fica todo mais fraco. Por isso eu sentia tanto mal-estar!

O que acontece é que esse fungo nem sempre se limita ao trato digestivo. Ele escorrega por áreas enfraquecidas no revestimento intestinal ou pode ser espalhado do ânus para os órgãos sexuais, principalmente nas mulheres. E aí surge a candidíase vaginal.

E justamente por isso não adianta fazer apenas o tratamento local. Quando passa o efeito do remédio, a doença continua se reproduzindo no trato digestivo e migra, de novo e de novo, para os órgãos sexuais. Para curá-la a gente precisa reequilibrar todo o sistema imunológico e, principalmente, corrigir os desequilíbrios alimentares e digestivos.

Comecei uma dieta sem remédios, abrindo espaço para que meu corpo se curasse

Aprendi tudo isso lendo o livro Candidíase, a Praga, de Sonia Hirsch. E entendi que essa reeducação alimentar precisa começar protegendo o fígado, limpando os intestinos, vermifugando mesmo, para combater diretamente os fungos, ajudar na produção de enzimas e repor lactobacilos no tubo digestivo. No começo, tudo isso parecia muito difícil. Mas eu não queria mais estar doente.

No auge da doença, o livro foi a solução que encontrei para me ajudar, já que os médicos e os remédios não estavam conseguindo. Eu encarei como uma nova possibilidade e comecei a uma dieta sem remédios sintéticos, abrindo espaço para que meu corpo se curasse sozinho. Aprofundei o assunto no livro Healing with Whole Foods, do Paul Pitchford, comecei a comer e beber apenas coisas saudáveis (e, num primeiro momento, cortei totalmente açúcares e carboidratos), passei a fazer exercícios físicos e a meditar.

Cheguei a conversar sobre essa proposta de tratamento a alguns médicos, que não me apoiavam, achavam que dieta de cura não ia funcionar. Mesmo assim, resolvi tentar colocar em prática.

Não foi fácil. Mais do que seguir a dieta, o que por si só já foi muito difícil, eu precisava internalizar aquela mudança de paradigma: relaxar a minha mente e acreditar no poder de cura do meu corpo.

Com o tempo, os sinais de melhora começaram a aparecer. Comecei a ficar mais disposta, com mais energia. Cinco semanas depois de ter começado a dieta, sem ter usado medicamento algum nesse período, repeti o exame, que há quase um ano dava positivo para o fungo Cândida Albicans, e o resultado foi negativo. Isso foi em 2016 e desde então a candidíase não voltou.

É por isso que compartilho no blog algumas das receitas que me ajudaram a me curar: bolo sem farinha, homus de beterraba, iogurte natural, barrinha de cereal caseira e muito mais.

Ter vivenciado esse processo de autocura como protagonista me fez sentir livre e forte. Não quero mais delegar o cuidado com a minha saúde, meu bem mais precioso, a ninguém, ele cabe a mim. Nesse processo de autocuidado, além da força e da liberdade, experimentei também o amor-próprio, como nunca antes havia experimentado. Não há nada mais amoroso do que se cuidar!

No fim, o que era dieta virou naturalmente estilo de vida. Os exercícios físicos foram promovidos de obrigação chata a momentos de bem estar. A meditação nunca tinha feito tanto sentido. Passei a cuidar com mais carinho da minha alimentação e me apaixonei pela cozinha. Ler sobre saúde e transformar alimentos simples em pratos deliciosamente saudáveis passaram a ser minha diversão. Hoje, vejo a doença como oportunidade.

 

Karine Rocha acredita que cozinhar é um ato de amor e cuidar da própria saúde é um ato de liberdade. É mãe, funcionária pública e se diverte na cozinha. Sempre que tem um tempinho, compartilha receitas saudáveis no seu blog

2 Comentários

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 respostas para “Curei minha candidíase com alimentação saudável”

  1. Ingrid disse:

    Pode me passar sua dieta? Sofro com isso há exatamente 1 ano, não sei mais o que fazer.

  2. Bruna disse:

    Eu sofro de cândidiase há anos e já não sei mais o que fazer. Só eu sei o quanto gastei e o quanto a minha vida emocional ficou abalada por conta disso. Você poderia compartilhar a sua dieta? Preciso tentar alguma coisa diferente. Agradeço muito se puder me ajudar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *