Uma diretora de cinema para cada país da Copa 2018  |  Grupo B

Conheça realizadoras de Espanha, Irã, Marrocos e Portugal

15.06.2018  |  Por: Ligia Maciel Ferraz

image
Uma diretora de cinema para cada país da Copa 2018  |  Grupo B

Continuando a série que apresenta diretoras mulheres de cada país dros grupos da Copa do Mundo, vamos agora para o Grupo B.

Espanha

 

Icíar Bollaín nasceu em Madri, na Espanha. Iniciou sua carreira como atriz e há 16 anos trabalha também como diretora e roteirista.

Seus filmes costumam explorar fatos históricos, como no premiado Conflito das Águas (2010), onde trabalha com a tensão existente na Bolívia relacionada ao legado da herança colonial; e também em Flores de Outro Mundo (1999), seu segundo longa premiado no Festival de Cannes, onde explora diversos aspectos da História espanhola e a evolução sócio-cultural do país a partir da vida de três mulheres, uma de Cuba, outra da República Dominicana e outra de Bilbao.

Seu filme mais recente é El Olivo (2016), uma co-produção entre Espanha e Alemanha que conta a história de uma garota, seu tio e uma amiga, que fazem uma viagem para resgatar a árvore pertencente à família para seu avô doente.

Irã

 

Samira Makhmalbaf nasceu em 1980 em Teerã. Aos 14 anos largou a escola para estudar cinema e aos 17 anos dirigiu seu primeiro filme, A Maçã (1998), tornando-se a pessoa mais nova a participar da seleção oficial do Festival de Cannes. O filme documental conta a história dos pais que mantiveram por 11 anos suas duas filhas de 13 anos aprisionadas e, após denúncia dos vizinhos, são obrigados a soltá-las e a receber visitas de uma assistente social.

“Após meu filme A Maçã, muitas pessoas me questionaram sobre o Irã. Queriam saber se o Irã é mesmo um país onde garotas de 13 anos poderiam ficar presas por 11 anos e onde uma garota de 18 anos pode ter seu primeiro filme em Cannes. Penso que as mulheres iranianas são como as nascentes de água doce: quanto mais pressão sofrem, mais força elas mostram quando se libertam.”

É considerada uma das cineastas mais influentes da segunda onda do cinema iraniano. Seus filmes políticos e corajosos refletem o posicionamento firme que mantém em relação à sua atuação como ativista dos direitos das mulheres.

Marrocos

 

Laïla Marrakchi nasceu em Casablanca, Marrocos. Formada em estudos cinematográficos na Universidade de Paris III, iniciou sua carreira com curtas, hoje trabalhando como roteirista e diretora de filmes e séries de TV.

Dirigiu Marock (2005), filme marroquino de maior sucesso de 2006, que apresenta a juventude abastada de Casablanca, com hábitos ocidentalizados, e que é confrontada com os preconceitos da sociedade tradicional. Foi considerado polêmico por tratar de uma história em que uma muçulmana e um judeu se apaixonam. O filme foi exibido na mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes.

Já Rock the Casbah (2013), tem no elenco a atriz e também cineasta Nadine Labaki. Seus últimos trabalhos foram foram para séries de TV, incluindo a direção de três episódios da série Marseille (2016 ), disponível na Netflix.

Portugal

 

Teresa Villaverde nasceu em Lisboa, Portugal. É um dos nomes mais importantes da geração de cineastas portugueses que surgiram na década de 90.

Além de realizadora, trabalha como argumentista, produtora e também como atriz; inclusive atuou em um dos filmes do cineasta italiano underground Tonino de Bernardi, sendo ele o foco principal da sua mais nova produção, O Termómetro de Galileu (2018), um documentário em que trabalhou inteiramente sozinha, sem equipe alguma, e acompanha algumas semanas da vida do cineasta e de sua esposa, Mariella Navale.

Em seu cinema autoral se destacam Três Irmãos (1994), Transe (2006) e Os Mutantes (1998), este último em que conta a história de três adolescentes apartados da sociedade que fogem do reformatório para tentar a vida em Lisboa.

 

Ligia Maciel Ferraz é escritora radicada em Atenas, na Grécia. Formada em Comunicação Social – Cinema e Vídeo pela Unisul, em Florianópolis, escreve sobre feminismo, cinema e literatura. Confira seus textos aqui 

0 Comentários

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *